Notícias

Vida está muito pior um ano após mobilização, dizem caminhoneiros

Além da alta do diesel e do descumprimento da tabela do frete, categoria reclama da falta de trabalho

Após a mobilização inédita, que conseguiu travar o transporte de cargas no Brasil por 11 dias em 2018, a sensação entre os caminhoneiros era de vitória. Uma longa e polêmica lista de exigências havia sido atendida pelo governo de Michel Temer. Prestes a completar um ano, porém, o movimento já não parece tão bem-sucedido assim para esse grupo de trabalhadores.

O consenso entre os caminhoneiros é que a situação está pior do que antes da paralisação.

Entre os pedidos atendidos, destacaram-se o subsídio ao diesel, que acabou em dezembro, e a criação de uma tabela com preços mínimos para o frete, que foi instituída via decreto, mas nunca valeu de verdade.

A medida está sendo questionada na Justiça, é contornada pelas empresas, que até investiram em frota própria e outros tipos de transporte para evitar a dependência do caminhoneiro autônomo, e não é devidamente fiscalizada pela ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres), segunda reclama a categoria.

“O Brasil nunca esteve tão ruim”, diz Paulo Roberto Moraes dos Santos, 57, proprietário de quatro caminhões que compartilha com o filho e o sobrinho. O caminhoneiro de Porto Alegre, capital do Rio Grande do Sul, afirma que agora nem adiantam tabela do frete ou diesel barato. Falta trabalho.

“Está tudo parado, não tem serviço, não tem carga para todo mundo. Precisa melhorar o país como um todo. É saindo da crise, voltando a produzir mais e a vender mais que vai ter carga para a gente transportar”, diz Moraes.

João Batista Rodrigues Alves, 47, de Fortaleza, no Ceará, conta que passou 14 dias na beira de uma estrada, em Belém, no Pará, quando aderiu ao protesto. Agora, porém, para por não ter que o fazer.

Na segunda-feira (6), completava o quarto dia sem encontrar trabalho no Terminal de Cargas de São Paulo. Antes do serviço que o levou à capital paulista, ficara 18 dias em casa à espera de um frete.

Pelo trajeto de Fortaleza para São Paulo, recebeu R$ 9.300 —R$ 2.700 menos do que ganhou da última vez.

“Se eu tivesse visto um posto de fiscalização da ANTT, eu teria parado e denunciado [a empresa que pagou menos que o piso do frete]. Mas não vi nenhum”, diz ele.

Segundo Alves, as transportadoras chegam a provocar os caminhoneiros que ameaçam denunciá-la: “Nos dizem: pode denunciar, nunca vimos uma multa chegar aqui”.

José Francisco de Oliveira, de São Paulo, reclama que a maioria das empresas não cumpre a tabela do frete. “Agora [com menos serviço] é que não vão cumprir mesmo”, diz.

Quando conversou com a reportagem, Oliveira disse estar há 20 dias com o caminhão estacionado.
Representantes do governo de Jair Bolsonaro (PSL) têm feito reuniões com os caminhoneiros desde o período de transição. A principal promessa é aumentar a fiscalização para obrigar as empresas a cumprir o valor da tabela.

No Terminal de Cargas de São Paulo, a reportagem encontrou vários caminhoneiros parados havia dias à espera de trabalho. Vindos de outros estados, eles estacionam os caminhões em um terreno próximo à rodovia Fernão Dias.

O local é estratégico por ficar ao lado do terminal onde a maioria das transportadoras repassa cargas para os autônomos. Por isso, a permanência ali tem o seu preço. São R$ 80 para estacionar por até 15 dias.

Parado há quase duas semanas, Vanderlei Araújo, 62, conhecido como Capitão, já não consegue tirar o caminhão facilmente. A bateria “arriou”.

Será preciso pagar R$ 20 para o mecânico do local fazer a chupeta e recuperar as baterias. Mas ele só terá os R$ 20 quando pegar um frete de volta para Curitiba, no Paraná.

Com o dinheiro que receber também vai quitar a conta da lanchonete da Nêga, que fica na beirada do estacionamento. “A gente só consegue comer porque o pessoal ajuda e vende fiado”, diz.

Claudemar Alves da Silva, 55, de Sinop, em Mato Grosso, conta que já teve de reunir caminhoneiros para pagar uma marmita a um colega que não tinha dinheiro.

“A gente tinha reserva até o governo da Dilma. Depois que ela saiu, todo o mundo teve que usar o que tinha guardado para poder sobreviver”, afirma. Silva diz que nos anos de bonança teve R$ 18 mil na poupança —reserva para manutenção do caminhão.

O governo Michel Temer mudou a política de preços dos combustíveis, e as variações passaram a ser diárias. Em decisão para agradar à categoria, Bolsonaro anunciou, em março, que o intervalo de aumento passaria a ser de 15 dias.

O motorista de Sinop conversava com a reportagem apressado para atender o celular. Era um possível frete: “Se a gente demora cinco minutos para responder, vem outro e leva”.

Ele está ali esperando para voltar a Mato Grosso. Conta que, em qualquer lugar a que chega, demora até oito dias para pegar um carregamento de volta ao estado de origem. “Antes, aqui neste mesmo terminal, eu chegava de manhã e à tarde já estava carregado para voltar”, diz.

Araújo e seus colegas atribuem a queda na oferta de serviço às transportadoras, que compraram grandes frotas e “jogaram o frete lá embaixo”.

Dados do setor mostram que houve um movimento das empresas para comprar caminhões e ampliar a frota própria após a paralisação. Desde maio de 2018 foram fabricados 75.628 caminhões, segundo a Anfavea, entidade dos fabricantes de veículos.

No ano passado, o número de emplacamentos de novos caminhões cresceu 48% em relação a 2017, de acordo com a Fenabrave, que reúne distribuidores de veículos.

Marcelo Bezerra, 43, de Marília, interior de São Paulo, diz que, depois da greve, as transportadoras deixaram de procurar os agenciadores, que atuam como intermediários entre empresas e autônomos.

“Antes os agenciadores esfolavam a gente. Agora, está pior, porque quase já não tem mais agenciador”, diz o caminhoneiro, que está há 15 dias parado no estacionamento.

Segundo Wallace Landim, o Chorão, um dos representantes dos caminhoneiros que fala com o governo, a solução para o excesso de caminhões e a falta de cargas é o cumprimento da jornada de trabalho. Assim, os caminhoneiros trabalhariam menos, e seria preciso contratar mais.
Araújo, de Curitiba, cita de cor e em tom de revolta os números de caminhões que as grandes transportadoras compraram nos últimos meses. Para ele, os autônomos devem reivindicar maior participação no mercado.

“Tem que fazer as transportadoras passarem 40% do frete para os caminhoneiros autônomos, terceirizados”, afirma. Ele diz que leu a ideia em um dos grupos de WhatsApp que acompanha.
Procurado, o presidente da CNT (Confederação Nacional dos Transportes) não estava disponível para falar.

Se houver ou não mudanças para quem vive nas estradas, Araújo não vai pagar para ver. Há 40 anos na estrada, ele diz que cansou. Quando chegar ao Paraná, vai vender o caminhão forrado de adesivos da campanha de Jair Bolsonaro, em quem ele diz ser a sua única esperança.

“Estou velho, vou arrumar outra coisa para fazer. Vender isso daí [aponta para o caminhão], sei lá, trocar por uma galinha”, afirma.

Fonte: Jornal Folha de S. Paulo

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *